10 dicas para evitar cair na blacklist

Blacklist não é só uma série! São listas de e-mails usadas por alguns provedores, como Gmail, Outlook e Yahoo, para evitar que e-mails de remetentes duvidosos cheguem à caixa de entrada dos seus clientes.

Quando o seu domínio vai para uma blacklist, a sua taxa de entregabilidade cai de forma significativa, o que atrapalha as suas campanhas e a sua estratégia de e-mail marketing.

Isto ocorre porque estas listas marcam o seu domínio como spam, o que torna mais provável que as suas mensagens sejam desviadas da caixa de entrada do destinatário.

A função de uma blacklist é, então, tentar reduzir as mensagens indesejadas. Mas esses filtros, muitas vezes, captam também os “inocentes” da história.

Qualquer um pode cair num destes filtros… mas não qualquer um que siga as dicas que vamos dar!

 

4 tipos de “armadilhas de spam”

A blacklist tenta adotar alguns critérios que identificam comportamentos suspeitos, as chamadas armadilhas ou spam traps, muito usadas por remetentes de spam:

 

1 – Puras

Os provedores utilizam endereços inexistentes de e-mail para captar spam. Por exemplo: um e-mail que foi criado agora e cujo endereço nunca foi enviado a ninguém, em teoria, não vai receber nenhuma mensagem, certo?

Por isso, se o provedor captar mensagens em endereços inexistentes, entende que o remetente provavelmente utiliza práticas condenadas para chegar até àquela caixa de entrada e, assim, envia-o para uma blacklist de e-mail.

2 – Recicladas

Parecidas com a anterior, porém menos agressivas. Aqui, os provedores prestam atenção às mensagens enviadas em endereços de e-mails já inativados – aquela resposta automática de que a mensagem não foi entregue. Se mantiver este contacto inexistente na sua lista e continuar a enviar e-mails, mesmo após o aviso do provedor, ele vai adicioná-lo numa blacklist.

 

3 – Typo traps

As “typo traps” consistem em erros de digitação dos endereços de e-mail. Se na sua lista tiver muitos erros grosseiros, como “@gmali.com”, a blacklist vai captar essa prática como movimentação de spam. Claro que um erro ou outro não vai prejudicar. Estas armadilhas ficam atentas a ações excessivas, antes de definir o que é considerado spam.

 

4 – Filtros de palavras

Esta é a mais intuitiva. É bom ter cuidado com e-mail marketing muito agressivo, com palavras genéricas e aleatórias. Além disso, palavrões e conteúdos indevidos são os filtros mais óbvios nestas armadilhas. É importante também manter a campanha “simpática”, para evitar que o próprio destinatário sinalize a sua mensagem como spam, o que, claro, vai ligar um alerta no seu provedor de e-mail.

 

Como verificar se está numa blacklist

Primeiro, convém frisar que existem blacklists privadas, mantidas em sigilo pelos provedores e que não são possíveis de consultar.
Entretanto, os próprios provedores têm ferramentas que possibilitam recorrer caso o seu domínio esteja sinalizado.
É possível, no entanto, conferir se o seu domínio foi parar numa das várias blacklists públicas que existem e que também são consultadas pelas empresas.
Para isso, existem ferramentas como a MXToolbox e Spamhaus, que permitem fazer essa consulta. Basta digitar um IP ou domínio e ver se está livre de blacklists de e-mail públicas.

 

Como evitar cair na Blacklist

1 – Não compre lista de e-mails

Ainda há muita gente a cair no erro de recorrer a bancos de dados para ter acesso imediato a uma ampla lista de contactos. Esta prática é prejudicial de diversas formas. Em primeiro lugar, corre um sério risco de comprar e-mails falsos que, além de não gerarem nenhuma conversão, ajudam a baixar a reputação do seu IP. Caso esses e-mails sejam de pessoas reais, isso não significa que serão contactos qualificados. Com isso, pode tornar-se inconveniente para aquele grupo de pessoas que, irritadas, marcarão o seu contacto na blacklist. Construir uma base de dados leva tempo, requer estratégia, conhecimento da persona e conteúdo interessante e adequado aos seus interesses. Mas é muito melhor ter uma lista de 10 contactos de pessoas realmente interessadas no seu produto ou serviço, do que 100 e-mails que o vão mandar para uma blacklist!

2 – Remova contactos inválidos/errados

Limpar a lista regularmente é uma atividade simples, que evita muitos problemas futuros. Se um contacto não abriu os seus e-mails nos últimos três meses, é um bom indicativo de que não está mais interessado. Da mesma forma, jamais envie e-mails para quem solicitou ser removido da sua lista. Isso causa reclamações indesejadas e, consequentemente, sinaliza para as blacklists que está a agir com más intenções, mesmo que não seja o caso.

3 – Evite assinaturas dobradas

Tem um e-mail registado duas vezes na lista de remetentes? Mesmo quando as pessoas registaram os seus e-mails uma vez e por esquecimento se registaram novamente, elas não querem receber e-mails duplicados. Uma forma de resolver este problema é autorizar somente uma assinatura para cada e-mail.

4 – Evite mandar anexos

Colocar anexos pode prejudicar o seu e-mail. Procure colocar todas as informações no corpo do texto e disponibilizar links para os materiais.

5 – Inclua um link para cancelar a subscrição

Dê sempre a opção de cancelar a subscrição. Esta opção é a melhor maneira de manter um bom relacionamento com quem recebe os e-mails, dando a liberdade aos clientes para deixarem de fazer parte da sua lista de e-mails quando assim desejarem.

6 – Quantidade não é qualidade

Não mande 10 e-mails por dia se não houver necessidade. Lembre-se que a maioria das pessoas estão muito ocupadas e não gostam de receber informações sem valor. Crie informações que sejam interessantes e reduza a quantidade de e-mails por semana.

7 – Crie um e-mail com o nome da empresa

Crie um e-mail com o nome da sua empresa, por exemplo info@nome.com, isso irá facilitar o contacto. Se o endereço através do qual envia uma newsletter mais parece uma password, ou é um nome que não deixa claro quem está a enviar o e-mail, as pessoas irão colocá-lo no spam. Procure usar o seu nome ou o nome da sua marca/empresa.

 

8 – Evite algumas palavras

Evite usar as palavras “grátis”, “giveaway”, “compre agora”, etc. Na maioria das vezes, elas são classificadas como spam diretamente, pelo próprio sistema.

 

9 – Diminua a quantidade de imagens

Use poucas imagens no corpo do e-mail. Os filtros de spam também filtram excesso de imagens!

 

10 – Inclua uma versão de texto

Se está a enviar um e-mail HTML, inclua uma versão em texto. O oposto também é válido, cada pessoa tem as suas preferências na hora de ler e-mails e com esta opção pode facilitar o trabalho.

Conteúdos
Artigos recentes
Partilhar nas redes sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
NEWSLETTER
NÃO FIQUE DE FORA
Descubra todas as semanas o poder dos E-mails que Vendem

Estratégia de E-mail Marketing com retorno garantido!