Anúncios pagos: por que são um bom investimento?

Anúncios pagos: por que são um bom investimento?

Imagine que está no meio do oceano e quer chegar à praia. É muito mais fácil chegar lá com um barco a motor do que a nadar, certo? Pois bem, neste momento, está mesmo num oceano, que é a internet, mas felizmente, além de sermos o pilar da sua empresa na comunicação digital, também podemos ser o barco que o guia para navegar até ter terra à vista.

É isto também que acontece com os anúncios pagos, seja no Google, no Facebook, no Instagram ou noutra qualquer plataforma que seja conveniente para o seu negócio, para que chegue ao seu público-alvo. Eles são o barco que lhe vão poupar na força de braços… e na carteira.

Como dissemos no nosso último artigo, há empresas que investem valores a partir de 1€/dia e, com isso, estão já a ter retorno, porque as métricas são exatas e precisas.

aqui falámos também do impacto certeiro que o marketing de redes sociais tem, em contraponto com as estratégias de marketing nos meios tradicionais. É hoje possível chegar exatamente a quem se quer, na hora que se quer, desde que antes haja um estudo para chegar a esse público-alvo, na verdadeira aceção da palavra. Já não precisa de pagar a produção e os extras exigidos pela tabela de preços de televisões, rádios ou jornais, quando pode gastar menos dinheiro, ter maior retorno financeiro e atingir mais pessoas interessadas, optando pelos anúncios pagos em plataformas digitais, segmentados de acordo com aquilo que pretende.

Vantagens do tráfego pago

Ter um website é fundamental, mas não é o suficiente para uma comunicação eficiente. De que serve ter um website, se não consegue atrair visitantes? É como estar a apresentar a sua empresa num auditório com milhões de lugares e não ter ninguém a assistir. O site deve funcionar como um ‘hub’, para o qual se encaminham visitantes, recorrendo a diferentes canais e táticas digitais. E uma das melhores formas de o fazer é através do tráfego pago, que lhe permite:

– Pagar apenas de acordo com a performance, ou seja, só paga se alguém clicar e de acordo com o número de cliques no seu anúncio. E mais: é você quem determina quanto vai pagar por cada campanha, fazendo assim um investimento mais seguro. Além de que a campanha só fica no ar enquanto estiver a pagá-la;

– Alcançar pessoas que têm uma maior probabilidade de estarem interessadas no que está a oferecer;

– Medir resultados;

– Ajustar a estratégia em tempo real;

– Fazer testes/experiências, que lhe permitirão apresentar os anúncios com melhores resultados.

Mas para investir no tráfego pago, é preciso haver plataformas onde o fazer. As duas principais são o Google Ads – anúncios feitos com base em palavras-chave que são relevantes para o seu negócio – e o Facebook Ads – foca no perfil dos utilizadores, oferecendo várias opções de segmentação, como dados demográficos, localização, interesses e comportamentos, o que facilita a chegada ao público-alvo.

O tráfego orgânico (quando o público chega ao seu conteúdo sem que precise fazer campanhas, mas porque pesquisaram pelo assunto, por exemplo) é um complemento do tráfego pago, embora não gere custos diretos com campanhas, mas sim custos indiretos, porque, desde logo, há que pagar a uma equipa que produz os conteúdos, por exemplo. Ou seja, se quer fazer a sua empresa crescer, em caso algum o trabalho feito nas redes sociais deverá ser algo gratuito.

As campanhas pagas são parte essencial de uma boa estratégia de marketing nas redes sociais. Para ter sucesso em campanhas pagas, é preciso estudo, dedicação e experimentação. Por exemplo, geralmente não é boa ideia distribuir a verba igualmente nos anúncios. Aqui, pode complementar-se tráfego orgânico e tráfego pago: há que ficar atento aos posts orgânicos com o melhor desempenho, promovendo os melhores nas suas redes sociais.

Uma outra estratégia paga, bastante conhecida, é o remarketing. Trata-se de uma ferramenta que marca e identifica os utilizadores que visitaram o seu site. Quando essas pessoas visitam websites que aceitam anúncios, a sua publicidade vai aparecer-lhes.

Concluímos mais este artigo, repetindo o que já pode ser considerado um ‘mantra’: tudo passa pela estratégia. Neste caso, estratégia para identificar o público-alvo, estratégia de elaboração dos anúncios e de posicionamento dos mesmos (em que plataforma vão ser colocados), estratégia de qual o orçamento para gastar e durante quanto tempo e, em caso de resultados favoráveis ou desfavoráveis, elaborar uma estratégia para melhorar ou reformular as campanhas. No fim de tudo isto, esperamos que tenha ficado esclarecido sobre os frutos que pode colher ao plantar a semente dos anúncios pagos!

Partilhar nas redes sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Estou pronto para trabalhar com a Archilike!