Deixe as suas redes sociais viverem

Há coisas muito deprimentes nesta vida. Uma delas é entrar na página de Facebook de uma empresa, ver que esta só tem 11 seguidores e que não há conteúdo novo desde aquele post de “Feliz 2016!”. Depois, vai-se ao Instagram e é a mesma coisa. Vai-se ao LinkedIn e… a página nem existe. Falta só chamar um médico, para decretar o óbito das redes sociais da empresa!

As redes sociais são, cada vez mais, essenciais na comunicação e marketing das empresas e na sua relação com o público. Portanto, é fundamental que mantenha vivas as redes sociais da sua organização (e mesmo as páginas pessoais). Manter uma rede social viva é alimentá-la – que é ‘feed’, em inglês, o que coincidentemente também é o nome dado ao fluxo de conteúdo colocado numa página. Mas atenção: não deve colocar conteúdo ‘só para encher’, o conteúdo tem de ser interessante para o seu público. Já demos pistas sobre como identificar esses interesses, neste artigo

Marketing de redes sociais

Antes do advento das redes sociais, as estratégias de marketing e a comunicação com o público eram essencialmente feitas através de rádio, TV, jornais e distribuição de flyers. Em alguns casos, estes continuam a ser os meios de divulgação prioritários para as empresas. Os meios de comunicação tradicionais tinham e têm a desvantagem de o poder de passar a mensagem estar nas mãos de poucos, pelo que as empresas teriam que pagar para executar as suas ações nestas plataformas e, provavelmente, não atingiriam o público que queriam. Nas redes sociais, embora também seja necessário algum investimento, estas ações são direcionadas e, portanto, tendem a ser mais eficazes.

Com a popularização das redes sociais, as organizações passaram a ter os seus próprios canais de comunicação. Por exemplo, qualquer um pode criar uma conta no YouTube e produzir vídeos, que até podem ser mais vistos e mais rentáveis do que um anúncio num meio tradicional.

Independentemente do canal em que desenvolva o marketing nas redes sociais, é sempre preciso que haja um planeamento por trás disso. É necessário que se tenha em conta quais os objetivos da empresa ao estar numa rede social e, assim, criar calendários de conteúdo e estratégias de relacionamento.

E este é o reverso da medalha: nas redes sociais, com a relação de proximidade criada com o público, é possível receber o feedback do seu trabalho mais rapidamente, para o lado positivo e para o negativo. Então, é preciso usar técnicas de relações públicas para apaziguar a situação e evitar que ela se transforme numa crise de imagem para a organização.

Assim, as principais qualidades do marketing de redes sociais são: o fortalecimento dos laços com o seu público; a divulgação da cultura da organização (valores, missão e visão do negócio, através de ações concretas); a possibilidade de segmentar públicos; fazer um atendimento mais personalizado, como um serviço de atendimento ao cliente; e as vendas através destas plataformas ou o encaminhamento para uma landing page, por exemplo, onde a venda será realizada.

Diferentes canais, diferentes abordagens

A comunicação nas redes sociais varia de acordo com a plataforma utilizada para o efeito, ou seja, mais uma vez, é preciso haver estratégias definidas. O Facebook é uma rede de grande abrangência, por isso permite um leque mais amplo de abordagens e segmentações. O Instagram foca-se mais na partilha de imagens e vídeos, portanto será prioritário um conteúdo visual atrativo. Em contrapartida, o LinkedIn está virado para o meio empresarial, pelo que o tom terá de ser adequado. Desta forma, o conteúdo deve ser desenvolvido com uma linguagem adaptada para o perfil de público que encontramos em cada rede social – que podem até ser as mesmas pessoas físicas, mas que esperam conteúdos diferentes consoante a rede social em que estão.

Porém, há que ser cauteloso: muitas empresas cometem o erro de tentarem estar presentes em todas as redes sociais mais conhecidas, o que torna mais difícil a definição da estratégia de comunicação para cada uma delas, podendo até o público-alvo nem estar presente. Mais uma vez, alertamos: saiba bem para quem fala e para onde fala, antes de partir para a ação.

Finalmente, um ponto fulcral na estratégia de comunicação é haver um plano de publicações, com datas de publicação, prazos para que os conteúdos sejam produzidos e variedade nesses conteúdos, que podem ser informativos, de entretenimento ou dicas sobre assuntos relevantes. Portanto, tenha em atenção que a página não deve servir apenas para promover os projetos/produtos da sua empresa, deve haver variedade de temas.

Esta planificação e agendamento atempados podem ser postos em prática numa plataforma como a Swonkie, que tem várias funcionalidades no que toca à gestão de redes sociais. Com tudo isto, não tem desculpa para não manter as suas páginas vivas e de boa saúde!

Partilhar nas redes sociais:
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Estou pronto para trabalhar com a Archilike!